De 22 a 27 de janeiro, realiza-se a 34ª Jornada Mundial da Juventude com o Papa. Desta vez, será no Panamá e, diversamente das anteriores, acontece em janeiro, em vez de julho ou agosto, por causa das condições climáticas do país centro-americano.

A Cidade do Panamá, todas as dioceses do País e também de Costa Rica preparam-se para receber centenas de milhares de jovens de todo o mundo, com sua alegria e jovialidade, suas expressões culturais próprias e sua fé comum. O Panamá preparou-se com esmero para acolher e hospedar a todos e para lhes oferecer a ocasião de uma experiência religiosa e cultural única. Também muitos sacerdotes, religiosos e bispos acompanharão os jovens. Eu mesmo estarei lá também, acompanhando cerca de 300 jovens de diversas organizações juvenis da Arquidiocese de São Paulo.

A abertura do encontro, no dia 22, será feita com uma celebração presidida pelo arcebispo local. A partir de 23 de janeiro, por três dias, haverá catequeses para muitos grupos linguísticos diversos, sobre aspectos do tema da Jornada. Bispos farão as catequeses e, em seguida, celebrarão a Missa com o respectivo grupo. Ao longo desses dias, numerosas outras atividades serão oferecidas aos jovens. Não faltarão ocasiões para a confissão e o aconselhamento espiritual individual aos jovens.

O Papa Francisco tem seu primeiro encontro com os jovens na quinta-feira, dia 24 de janeiro. Será o momento das boas-vindas e de uma primeira mensagem aos participantes da Jornada. O Papa participará também da Via-Sacra, que se faz normalmente na sexta feira. No sábado, 26 de janeiro, haverá a grande vigília do Papa com os jovens e, no domingo, 27 de janeiro, a celebração do encerramento da Jornada.

O tema escolhido pelo Papa para esta Jornada é o seguinte: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça- -se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38). São as palavras da resposta de Maria ao anjo Gabriel, que lhe anunciou que ela seria a Mãe de Jesus Cristo, Salvador. Após ter manifestado sua perplexidade e, talvez, também o seu medo diante daquilo que lhe tinha sido pedido, Maria aceitou e se colocou à disposição de Deus.

O tema está relacionado com a recente assembleia do Sínodo dos Bispos, em outubro passado, sobre “juventude, fé e discernimento vocacional”. As Jornadas têm sido, para os jovens, ocasiões para fazerem uma bela e profunda experiência da fé eclesial católica. Ao saírem de suas localidades e seus países, para conviverem por alguns dias com jovens provenientes de tantos outros países, raças e culturas, os jovens percebem muito concretamente que há algo que os une de maneira profunda e forte: a fé em Jesus Cristo e a fé da Igreja Católica. Essa fé é a mesma para todos, experimentada na mesma Igreja, como sua casa, sua família, sua mãe, seu campo de missão. Num mundo cultural que leva ao isolamento individualista e, talvez, também ao fechamento egoísta, que diminui os horizontes da experiência humana, é muito importante que os jovens possam fazer a experiência da catolicidade da sua fé e da pertença à Igreja.

As Jornadas também são fortes momentos de discernimento vocacional para os jovens. De fato, muitas vocações para o sacerdócio e a vida consagrada despertam durante as Jornadas da Juventude. E também muitos casamentos têm sua origem nos dias de convivência nas Jornadas. Nem poderia ser diferente, pois a questão vocacional está sempre presente nessa fase da vida. O tema escolhido para a Jornada do Panamá tem forte conotação vocacional e leva a se perguntar sobre o sentido da própria existência, as escolhas que precisam ser feitas e que, muitas vezes, assustam e angustiam, como aconteceu também com Maria.

A escolha da vocação requer escuta atenta da voz de Deus, que se manifesta de muitos modos diferentes também aos jovens de hoje. Sem essa escuta interior, é difícil ouvir a voz de Deus que chama. Vivemos no meio de tantas distrações, que ocupam nosso tempo, nossa atenção e energias e somos tentados a reagir, simplesmente, diante das solicitações e impulsos do momento, sem termos um caminho claro e uma meta na vida. O resultado disso é a permanente imaturidade pessoal, a incapacidade de empenhar a própria vida num projeto mais firme e duradouro, a angústia e o medo da vida.

A jovem Maria já tinha uma profunda experiência de fé, que lhe possibilitou dar sua resposta serena ao anúncio do anjo Gabriel: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim, segundo a tua palavra”. Uma forte experiência de fé também ajudará a muitos jovens de hoje a darem essa mesma resposta.

Artigo escrito pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo. Publicado em O SÃO PAULO, na edição de 16/01/2018