A Comunidade Católica Colo de Deus Visitou nossa paróquia no final do mês de novembro, e, com testemunhos, demonstraram aos jovens e adolescentes que é possível sim ser jovem e ser santo.

A Comunidade

A Comunidade foi fundada há doze anos, por Hugo Santos, em Curitiba/PR. Tudo começou por iniciativa do Hugo, que, em seu grupo de jovens, o dividiu em células (pequenos grupos de pessoas) e iniciou um trabalho de oração na casa de cada um dos grupos, em consonância com projetos sociais de auxílio a pessoas carentes.

Com o tempo, o grupo tomou forma, e passou a se reunir na paróquia da região, foram se formando ministérios, dentre eles, o de música, e, sob orientação do pároco, formaram uma comunidade de nome Rahamim, que significa útero materno do Pai.

No entanto, o fundador, em oração, ouviu chamado para que alterasse o nome da comunidadepara algo mais simples, e daí surgiu o nome “Colo de Deus”, também em referência ao útero materno do Pai.

Hoje a Colo de Deus se caracteriza por uma comunidade possui uma casa, onde residem leigos vocacionados. A comunidade possui ministérios tal como o de música, e o de dança, e ainda reúne em células para rezar, partilhar a palavra, meditar o terço. Seus membros, também fazem missões, levando a palavra de Deus e suas experiências pessoais a pessoas de todo o Brasil.

A missão da comunidade é ser na terra como Maria, esposa do espírito santo, gerando cristo ressuscitado no mundo, do mesmo modo como disposto em Lucas 1:26.
Desafios de Ser Jovem e Ser Santo

Dentre os missionários que estiveram presentes em nossa paróquia, pudemos entrevistar Cecília de Souza, Enderson Luid (Dinho) e Herrison Pontes, estes que nos contaram sobre os desafios de ser jovem e ser santo, e, também, sobre seus chamados à santidade.

Cecília, vinda de família católica, e criada dentro da igreja, por um período de sua vida, atraiu-se pelas coisas do mundo, e deixou Deus de lado, fato que a levou a se envolver com todo tipo de situação. No entanto, em certo momento de sua vida, sentiu um vazio, uma angustia imensa, e, nessa oportunidade viu-se chamada por Cristo à retornar.

Diz que Jesus “a pegou de jeito” e que hoje, todo dia é um sim. Acredita que Deus “consegue transformar tudo aquilo que temos de ruim em coisa boa”. Sua filha, Isabela, também segue os mesmos passos.

Enderson, o Dinho, foi quem fez pregação aos adolescentes de nossa paróquia. Sua trajetória conta com envolvimento com o uso e tráfico de drogas, sexualidade desenfreada, dentre outas coisas. Apesar de estar vivendo em comunidade religiosa, partilhou que ainda tem quedas, principalmente quanto ao uso de entorpecentes.

Afirmou que a mudança, a aproximação com Deus, tem sido diária, “todo dia um encontro, todo dia buscando a presença de Deus, buscando ser de Deus”. Disse que é muito difícil transformar a realidade que viveu por muitos anos, mas, que tem buscado um envolvimento diário.

Apesar das quedas, não desiste de ser de Deus, e, ainda cita uma música da Comunidade, que resume o trabalho de Deus em sua vida: “vou levantar você para ser a minha voz e as minhas mãos, vou levantar você, para ser a minha voz e ser as minha mãos, hoje nessa geração te escolhi és meu (sou teu)”.

Durante a pregação a Pastoral Adolescente, contou que há um mês e meio havia caído, e, havia usado drogas, mas, mesmo assim, se predispôs a pregar. Afirma que Deus o escolheu, e é simplesmente isto. Somos escolhidos por Ele, para, em nossa, miséria, transmitirmos Sua palavra para os outros.

Já Herrison, nos conto que para efetivamente vivermos a santidade, temos que “levar Jesus àquilo que é jovem, pois ele tem o poder de mudar as coisas e não o mundo. É colocar Jesus naquilo que você faz, no colégio, na faculdade, na própria casa”. Apesar das dificuldades, temos que pedir ao Espírito Santo que nos ilumine para que possamos enfrenta-la, e isso se dá tendo uma vida de oração.

Oração, ele diz, não significa somente professar aquelas orações prontas que conhecemos, mas, sim, ter uma conversa franca com Deus, através de uma oração pessoal.

Em sua caminhada, também encontrou adversidades, mas, se deixou tocar por Cristo, mesmo sem entender os motivos. Confessou que quando a mudança ocorre, as pessoas costumam não entender, mas, quem vive e sente, precisa seguir os caminhos de Deus, mesmo sem saber as razões do chamado.

Nos contou, ainda, sobre a questão das bases de nossa fé católica: “A nossa religião depende da palavra, da doutrina, sim, mas é uma religião baseada no encontro com Cristo. A igreja nasceu em Pentecostes, quando houve um encontro com o Espírito Santo. Para termos nosso encontro com Jesus, precisamos buscar diariamente ir ao encontro dele.”

Ainda sobre perdão e misericórdia de Deus, nos falou que “quedas vão haver, mas, temos que nos policiar para não cair sempre. O pecado, às vezes, muda de forma, mas, cabe a nós cristãos saber que quem busca a santidade é um eterno começar e recomeçar.”

Nesse aspecto, ressaltou que Deus faz conosco o que deseja, e que, apesar de sermos tocados pelo pecado, Deus não olha para nosso passado. E, ainda, ressaltou que a Comunidade Colo Deus segue o lema de ser de verdade, para a verdade e com a verdade, e, que a comunidade não se compõe por pessoas que não tem pecado, mas sim, por pessoas que não temem expor suas verdades.

Por seus testemunhos, podemos ver que ser jovem e ser santo não é algo inatingível, cabe a nós buscar a Deus dia após a dia!

Para acompanhar o dia a dia da comunidade, busque-os nas redes sociais: Facebook e Instagram

Colo de Deus